ESCOLA DOS MENINOS X MENINAS 

By 28 de julho de 2017 abril 5th, 2019 #PapoReto

Educação é relação! Educação é a possibilidade de criarmos uma sociedade múltipla. Que seja capaz de viver e aprender na diferença. Diferença de pensamento, de desejos, de culturas. Que seja capaz de ver que o que “me falta” é a possibilidade de ser preenchido pela outra pessoa. Educação é um movimento empático com o mundo que nos cerca.  

A escola, durante muito tempo, e ainda hoje, como vemos, separa para melhor controlar. Separa, classifica e fragmenta a infância e a juventude por meio de suas avaliações, por meio da configuração de espaços apropriados para o aprendizado, para a brincadeira, para se “gastar energia”.  

Temos visto o surgimento de aberrações, que se intitulam escolas, como as de princesas e a de pequenos empresários, e o ressurgimento dessa separação de gênero, calcado em “pesquisas”, que afirmam que meninos aprendem assim e meninas aprendem assado. Lendo essa reportagem, cheio de elementos nauseantes, penso que o caminho para uma sociedade mais generosa, mais agregadora, menos binária e polarizada, menos preconceituosa e machista, está longe de se tornar realidade. Como é possível sustentar um argumento de que meninos precisam de 15 minutos de pátio e meninas, de 30 só porque estas “gostam de combinar, de conversar bastante antes de brincar”? Quando deixaremos de pensar nesses padrões estereotipados de sermos humanos e passaremos a olhar para a relação singular? Sabe aquele conceito de que “cada um é um”? Então, tá na hora de usar. E, se cada um é um, que a escola pense em trilhas de aprendizagem para cada pessoa. Que professores e professoras se entreguem às relações múltiplas da escola e entendam que separar não agrega valor algum à vida das pessoas!  

Esqueçam a teoria de 1960. Esqueçam o nome em inglês para a sua metodologia. Esqueçam suas correntes, que te aprisionam num modelo de pensamento que não se costura às crianças. Entreguem-se ao real. Dá trabalho. Muito. Mas quem disse que professor e professora não trabalham?  

Que essas pessoas envolvidas nesse projeto bizarro parem um pouco e reflitam que o mundo não é uma nota de rodapé, uma citação, uma teoria. O mundo é esse, o que queremos. O que queremos é que ele seja mais justo e generoso e, para isso, temos a obrigação de nos entregarmos ao múltiplo e ao diverso por inteiro (e não pela metade, meninosXmeninas). 

goo.gl/R6kVC5 

#PapoReto #MuitoReto #🔵🔵🔵 

Marcelo Cunha Bueno é educador há mais de 20 anos, inspirado pelo chão da Escola, especialista em desenvolvimento infantil. 

Leave a Reply